quarta-feira, 29 de março de 2017

Sobre a "troca de farpas" entre o Dória e a Amazon

Bom sobre a "troca de farpas" entre Dória e a Amazon.

Só acho que as pessoas deviam falar menos e ajudar mais. Não achei que a resposta dele tenha sido grosseira ou irônica, achei que ele disse a verdade e que a cidade não ficou cinza, nós nos acostumamos com a poluição visual, grafite é legal e bonito sim, mas acho que em espaços reservados para tal arte.

A Amazon fez um trocadilho, não deu muito certo e a resposta dele na minha opinião foi perfeita! Que tal pararmos de fazer provocações e ajudarmos? Já temos tantos problemas para resolver, então qual a lógica de alfinetar ao outro sobre algo que nos incomoda? Creio que a cor cinza seja o menor dos problemas atuais.

Eu adoro a Amazon, mas achei desnecessário o comercial...


segunda-feira, 27 de março de 2017

Desaparecidas - Lauren Oliver


Lauren Oliver é incrível! É o segundo livro dela que eu leio e fico encantada. 

Suas personagens sempre são adolescentes meio problemáticas sabe? Bebedeiras, drogas, amores, festas e velocidade. São garotas baladeiras, maquiadas, bêbadas e populares. Nada contra, mas os dois livros que li, as personagens eram exatamente assim rs... 

Em “Desaparecidas” foi criado uma atmosfera de trechos... Ora passado, ora presente, os capítulos são divididos em: antes e depois (do acidente), Nick e  diário de Dara. Parece meio confuso, mas é fácil compreender. 

São duas irmãs superunidas, Dara e Nicole, a Nick. A diferença entre elas é de apenas 1 ano. Sempre estão nas festas com os amigos e sempre estão com alguma bebida nas mãos. Nick é a mais velha e a perfeita, Dara é a rebelde, a garota problema e Nick tenta sempre encobrir as loucuras de Dara, que é a caçula e por este motivo a família passa a mão em sua cabeça. 

O modo como Nick fala da irmã é muito fofo, são unidas, são as melhores amigas e são opostos. Dara é a popular curvilínea que troca de namorado como troca de roupa, é a “pegadora”. Nick é mais reservada. Mais normal e menos “assanhada”. 

Nick possui um melhor amigo de infância e vizinho chamado John Parker. 

Na adolescência acaba surgindo meio que um triangulo amoroso entre eles, mas Parker ama uma das irmãs como sua própria irmã. Ele é apaixonado pela outra que não percebe suas investidas. 

Infelizmente, um acidente muda a vida das irmãs Warren para sempre e de uma forma drástica. 

Não tem como fazer uma resenha sem falar o que até agora me incomoda. Estou com o coração realmente triste.

Nesta história de amor, amizade e desentendimento dos jovens, podemos ver como eles podem ser facilmente confundidos. 

Dara, como sempre aprontando, se envolve com pessoas não tão bacanas e Nick tenta resolver o problema, apesar de ela e Dara não se falarem desde o acidente que mudou suas vidas. Parker acaba sendo o pivô do desentendimento entre as irmãs, mas não chega perto do real motivo do distanciamento de Dara. 

Aprendemos amar Dara com toda a sua meiguice e loucura. Ela é uma garota cheia de vida, que quer provar tudo, ser parecida com a irmã e quer chamar a atenção porque acha que Nick é mais bonita e carismática. Sentimos muito sua vitalidade, personalidade e energia e a sua falta nos esmaga dolorosamente. 

Dara, Dara... Porquê? 

Lauren entrou para a lista de meus autores favoritos, apesar de ser apenas o segundo livro seu que leio, também é o segundo livro com perdas profundas e que me faz ficar triste, eu realmente me sinto como se conhecesse todas as personagens dela. 

Leiam “Desaparecidas” e vocês terão outra visão sobre parques de diversão, rapazes bonitões e mais velhos, que te elogiam e insistem que você tem tudo para ser modelo, de amizades sinceras, amores pueris e bebidas, drogas e futuro. 

Sabe aquela história que aponta para uma coisa e no fim é algo completamente diferente? 

Tenho certeza de que irão amar!!!

 

sexta-feira, 24 de março de 2017

Entre a mente e o coração - Lycia Barros



“Tentar esquecê-la seria como me pedir para parar de respirar. Eu sabia disso na boca do meu estômago, sabia disso na rachadura do meu coração, sabia disso da ponta do cabelo até a planta dos pés. Eu ainda a queria. Eu ainda a amava. Se pudesse, eu lhe daria o meu sangue”.


Confesso que não gosto muito de duologias e trilogias. Quando acaba o primeiro volume, você espera na maioria das vezes um tempo razoável até sair o próximo e isto me deixa agoniada demais, então, prefiro ler continuações já lançadas, depois de todos já terem lido e foi o que fiz com a Lycia. Acabei conhecendo os livros dela em um grupo no face de uma outra escritora que eu também amo, a Robin e como as garotas falavam muito da Lycia li o primeiro desta trilogia Despertar em digital e fiquei apaixonada, então, entrei no site da autora e comprei a trilogia em uma excelente promoção.

Confesso que enrolei um pouco para ler o segundo, eu ainda estava na torcida para a volta da mocinha com o nosso loiro bronzeado gato, mas no fundo no fundo, eu sabia que a Angelina não o amava mais.

Neste segundo livro encontramos um Alderico triste, tentando se encontrar e lutando contra uma vida que agora para ele não fazia mais sentido. Ele está deixando Amália, sua ex definitivamente, está frequentado cultos com o Dante e está vivendo do seu próprio sustento, nada de mulheres, noitadas e alunas da faculdade.

No começo tudo é muito difícil, mas com a ajuda de Dante e de Deus sua vida começa a tomar um novo rumo.

É exatamente em um casamento, no qual ele leva o maior fora de sua vida que ele conhece Ana, apesar de já tê-la visto antes, quando fazia cultos para os jovens na faculdade. Conversaram bastante e ele encontrou nela algo que estava perdido dentro dele. Ele encontrou segurança, confiança, alívio, companheirismo e amizade. Ana era forte, possuía uma fé inabalável, sabia falar a coisa certa na hora certa e era linda.

Ana era missionária, sua vida era viajar para todo o lado levando conforto para os corações angustiados. Era um refrigério conversar com ela, de tudo ela tirava uma lição de vida. Era grata por tudo, desde um banho de chuveiro quente até uma manta em um dia frio.

Rico se apaixona perdidamente por Ana, agora ele é uma nova criatura, é um filho de Deus e tenta fazer tudo de acordo com os ensinamentos da Bíblia, até estudo bíblico em sua casa ele começou a fazer, mas a única tristeza que ele não consegue vencer sãos as barreiras que Ana criou para si. São intransponíveis, duras, mas aos poucos ele consegue penetrar nesta fortaleza.

Ana fica sem forças. O amor que ela nutre por Rico é maior e mais intenso do que qualquer coisa que ela já tenha vivenciado. É algo realmente mágico, mas infelizmente um fato obscuro de seu passado insiste em martelar em sua consciência afastando-a dele.

O que será de tão grave que a princípio impede este amor tão puro e crescente?

Rico luta contra tudo e todos, ele está disposto a conseguir Ana apenas para si, mas será que ele está preparado para a surpreendente notícia que poderá mudar a sua vida para sempre?

Um livro simplesmente incrível, cheio de detalhes e com uma reviravolta que nem em sonho passou por minha cabeça. Imaginei mil coisas para o distanciamento de Ana, mas nunca me passou pela cabeça o segredo que ela carregava.

Uma história linda de amor, fé e superação. Uma história que nos mostra o quanto somos preconceituosos, bem não seria esta a palavra certa e sim despreparados, nos falta informação... Seria tudo tão mais simples se as pessoas fossem verdadeiramente compreensivas e tementes a Deus.

Entre a mente e o coração é simplesmente maravilhoso e adivinhem... Isso mesmo começando o terceiro e último livro da trilogia agora.

Se eu recomendo??? SIM!!!

segunda-feira, 20 de março de 2017

Mestres do Terror - Edgar Allan Poe e outros Escritores...

Edgar Allan Poe é incrivelmente inesperado. É bizarro e super comum... Dá para entender?

Comecei a ler “Edgar Allan Poe – Contos de Terror” e fiquei triste rs... Descobri que é uma antologia com vários escritores e o nome real é “Mestres do Terror – Edgar Allan Poe e outros Escritores” e para minha tristeza só tem um conto do Edgar que é o “William Wilson” uma espécie de doppelgänger. É bom, muito bom aliás, inclusive os outros contos também são incríveis.

Neste livro estão reunidos vários escritores como:

Anatole France - Missa das Sombras
Theóphile Gautier - Avatar
Guy de Maupassant - Um louco?
Walter Poliseno – Metempsicose
Marion Crawford – Camarote 105, Beliche Superior
Henry Kuttner – Ratos do Cemitério
Arthur Conan Doyle – A mão do Hindu
Edgar Allan Poe – William Wilson
H. G. Wells – O fantasma inexperiente
W. W. Jacobs – A mão do macaco

Sou suspeita, gosto muito de Sir Conan Doyle e este conto é muitíssimo bom, não conhecia apesar de ter (e ler) todos os livros do Sherlock Holmes, não sabia que ele também tinha contos em antologias por aí, vou me informar melhor!

Agora o meu preferido foi Avatar do Theóphile Gautier, já imaginou uma troca de almas? Sair de seu corpo e se alojar no corpo de outra pessoa? Você faria isto por amor?

E o que você faria para lucrar muito dinheiro com dentes de ouro, roupas caras e acessórios valiosos enterrados com os mortos? Desenterraria e entraria em um buraco feito por ratos para roubar de um cadáver extremamente rico? Em Ratos no Cemitério de Henry Kuttner vamos conhecer um sujeito capaz disso e muito mais.

Espero que vocês tenham ficado curiosos, pois, este livro vale muito a pena ser lido, mesmo não sendo APENAS do Edgar kkkk

Fica a dica ;)

PS: Ahhhhh O Fantasma Inexperiente do H. G. Wells também é muito bom e eu só fiquei pensando na burrice da nossa personagem principal...

quinta-feira, 9 de março de 2017

Semana de oração da Fabi Bertotti


Nesta semana começou a “Semana de oração da Fabi Bertotti”, eu estou participando, ela começa às 06h00 da manhã, mas eu só vejo o vídeo depois das 08h00 rs...

Uma das propostas é orar duas vezes por dia às 10h00 da manhã e às 16h00 da tarde e a novidade é: não agradecer e nem pedir.

Acha que é fácil? Já tentou orar sem agradecer pelo dia, pelo seu emprego, pela sua saúde? E orar sem pedir saúde, bênçãos, curas e etc? É dificílimo!!!

Sabe o que isso significa? Que infelizmente não temos um relacionamento com Deus, que não sabemos conversar com Ele. Conversamos com nossos amigos tão facilmente, isso porque temos um relacionamento, agora imagine você chegar para um amigo e só pedir coisas, pedir dinheiro, pedir roupa emprestada, pedir cartão de crédito... É chato não é? Ou um amigo que te agradece todas as vezes que se encontra? Por você ter feito algo há 10 anos... É chato do mesmo modo, e porque cargas d’água nós fazemos isso com Deus? Na teoria não é a mesma coisa?

Eu adoro os vídeos da Fabi e depois que ela explicou isso fiquei pensativa. Precisamos desenvolver nosso relacionamento com Deus, orar sem cessar não significa só pedir e agradecer, significa conversar com Deus... Simples assim!

Ela deixa o texto bíblico para meditação, vou deixar o link do canal dela, do primeiro dia que foi segunda 06/03, ok?

Quantos irão participar?

Ahhhh amanhã termina, mas você pode começar amanhã, ou, segunda que vem  ;)